Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio


Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio é comemorado em 16 de setembro, mesma data em que alguns países assinaram oProtocolo Montreal em 1987. O principal objetivo dessa celebração é a conscientização sobre a importância dessa camada e as formas para evitar a sua destruição.

A camada de Ozônio é uma camada de gás situada ao redor do planeta que se localiza a aproximadamente 20 a 35 km de altitude. É essa camada a responsável por garantir que todos os seres vivos da Terra fiquem protegidos contra os efeitos nocivos dos raios ultravioleta emitidos pelo Sol. Sem ela, provavelmente não existiria vida.

O ozônio é formado na estratosfera, quando inicialmente a radiação ultravioleta quebra moléculas de oxigênio (O2) e libera átomos desse elemento (O). Esses átomos, então, unem-se às moléculas de oxigênio e formam o ozônio (O3).

Pesquisadores têm observado que essa camada tem sido progressivamente destruída graças à ação dos homens. Em 1977, alguns cientistas britânicos alertaram sobre a existência de um buraco na camada de ozônio na região da Antártida. Estudos posteriores demonstraram que em todo o planeta a camada estava se tornando mais fina.

A camada de ozônio é afetada pela emissão de várias substâncias, tais como os óxidos nítricos e nitrosos e o gás carbônico. Entretanto, maior atenção deve ser dada aos clorofluorcarbonos, mais conhecidos como CFCs. Esses compostos, que são encontrados em aerossóis e em equipamentos de refrigeração, chegam até a estratosfera, sofrem a ação da radiação ultravioleta e desintegram-se, liberando cloro. O cloro reage com o ozônio presente na camada e transforma-o em uma molécula de monóxido de cloro e gás oxigênio. O gás oxigênio, diferentemente do ozônio, não é capaz de proteger a Terra dos raios ultravioleta, deixando-a, assim, desprotegida.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a perda de 1% da camada de ozônio é responsável pelo surgimento de pelo menos 50 mil novos casos de câncer de pele. Além desse problema, o excesso de raios ultravioleta também é responsável por atacar o sistema imunológico e desencadear o envelhecimento precoce e problemas de visão. Além de atingir humanos, a radiação pode afetar todas as formas de vida, sendo importante destacar a destruição dos plânctons, que desempenham importante papel na absorção de dióxido de carbono, que é usado no processo de fotossíntese.

Diante desses problemas, alguns países começaram a preocupar-se com os possíveis impactos que a redução da camada de ozônio poderia causar à vida humana. Assim sendo, em 1985, algumas nações reuniram-se na Áustria para discutir o tema e foi formalizada a Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio, que tinha o objetivo de retardar o processo de diminuição da camada.

Em 1987, dando continuidade às políticas de proteção da camada de ozônio, foi criado o Protocolo de Montreal, que estabelecia a diminuição da produção e consumo de substâncias que afetavam diretamente essa camada. Todos os países concordaram e firmaram esse compromisso com o planeta.

É importante frisar que o compromisso de todos para garantir a saúde da camada de ozônio obteve resultados positivos. Em 2014, as Nações Unidas informaram que a camada está começando a recuperar-se.

DM_Post_16-de-set-Dia-Internacional-para-a-Preservação-da-Camada-de-Ozônio



Comentários